Sim.

É isso mesmo.

Hoje vou falar-lhes do desenho famoso no final da década de 80, início de 90.

Para quem não conhece, vou me permitir dar-lhes um spoiler rápido. Seis amigos estão num parque de diversão, numa espécie de montanha russa.

A velocidade ultrapassa os limites do aceitável, e o carrinho cai com eles noutra dimensão. Daí o desenho mostra a eterna luta deles para voltar para casa.

Contam, nessa dimensão, com a ajuda de um guru um pouco confuso, cheio de dicas e pistas, chamado Mestre dos Magos.

Há também um inimigo, o Vingador.

E em todos os episódios eles chegam muito perto do portal que os levaria de volta, mas algo acontece e eles seguem presos na dimensão estranha.

Pois bem.

Pano rápido e vejamos o Cruzeiro no Brasileirão.

Era uma vez o time do Cruzeiro numa roda montanha russa chamada Brasileirão 2019.

O carrinho azul escorregou e caiu num buraco sem fundo. Uma dimensão até pouco tempo desconhecida chamada Zona-Que-O-Filho-Chora-E-A-Mãe-Não-Vê.

Seus meninos, agora cada um com seu próprio super-poder, lutam para sair de lá.

Abel Mestre dos Magos tenta, cheio de pistas nas entrelinhas, ensinar o caminho das pedras que os levem de volta para casa.

Só que um deles toma golo demais, fica chapado e mal consegue escalar um barranco para ajudar a galera a empurrar o carrinho de volta. Identificaram alguém?

Outro, orgulhoso demais, filho de papai rico vindo do Morumbi, faz cara de nojinho quando acha alguém mais importante que ele. Quis ser maior que o clube, abandonou o carro e por mim que jamais volte por aqui.

Tem mais um, atacante de profissão, que quando está de frente para o perigo parece ter duas pernas esquerdas.

Parece ser vesgo.

Parece qualquer coisa, menos que de fato vai nos ajudar com qualquer mísera quantia.

Tem também os valentões, com currículos invejáveis, multi-campeões que pensam que a qualquer hora, a qualquer passe de mágica, vão resolver a parada e fim.

Podem até se dar ao luxo de jogar só umas quatro, cinco boas partidas por ano que todo mundo vai defender.

Afinal ele é fortão, cabelos platinados, peito de pombo...

E assim vamos nós seguindo da Dimensão dos Dragões.

A experiência dos meus incontáveis cabelos a menos, porém, indica que quando esse portal se fecha, a mancha é eterna.

E que quem insiste demais, acaba ‘premiado’.

Mais cinco rodadas cruciais agora.

Hora final de fechar a cara e garantir a viagem de volta a uma prateleira acima da tabela.

Ou corremos o risco de ficarmos chorando igual ao unicórnio do desenho...

por Rogério Lúcio

Twitter: @rogeriolucio77

(Foto: Site Soulgeek)


*Todos os textos e imagens publicados no blog ReZÉnha refletem única e exclusivamente a opinião dos colaboradores/autores de cada artigo, sem qualquer responsabilidade atribuída à marca Zé Carretilha Ltda.